Siga o Sintetel:



Comunicado

Saiba como recuperar as perdas do FGTS

O Sintetel contratou advogados para o ajuizamento da Ação Coletiva contra a Caixa Econômica Federal visando recuperar as perdas do FGTS.

Tem direito à revisão todo brasileiro que tenha tido algum saldo em seu FGTS a partir de 1999, esteja ele aposentado ou não.

Para saber mais, clique aqui.


Enquete

Você já definiu os seus votos para deputados e senadores?

Sim, já defini aqueles que acredito serem as melhores opções.

Não, vou esperar estar mais próximo da eleição para definir.

Em termos, já tenho alguns candidatos em mente, mas ainda não defini os votos.

Votar

| Ver enquetes antigas |

Nossas

Ver todas

Aposentados

Vem aí os encontros de Aposentados

Telecomunicação

Sintetel se filia à União Geral dos Trabalhadores (UGT)

Revista

21 anos de escuridão


Tire suas Dúvidas

Acordo coletivo x Dissídio coletivo

Apesar de muito semelhantes, os termos acima representam ações bem diferentes no que diz respeito ao dia-a-dia do trabalhador. Abaixo disponibilizamos as explicações detalhadas de como funciona cada um desses procedimentos:

ACORDO COLETIVO

É uma forma de contrato prevista na CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas). Ele abrange empresas em específico, não toda a categoria correspondente. Depois de aprovado, o Acordo Coletivo funciona como uma “constituição” para os trabalhadores da companhia em questão. A discussão e conteúdo do Acordo são sempre negociados entre a própria empresa e os trabalhadores, que devem chegar a um consenso.

Tudo o que estiver homologado no acordo tem força de lei pelo prazo de, geralmente, um ano. Nele são tratadas questões referentes às novas propostas salariais e questões trabalhistas. Se estiver no acordo, tem força de lei.

DISSÍDIO COLETIVO

Quando trabalhadores e empregadores não conseguem solucionar diretamente as negociações para o Acordo Coletivo, pode-se contar com a Justiça para resolver o impasse. São nestas situações que acontece o Dissídio Coletivo. Após discordância na negociação, empregadores e empregados chegam ao processo de mesa redonda, mediado por órgãos regionais do Mistério do Trabalho, para tentar a conciliação. No Dissídio, remete-se para a Justiça do Trabalho a apreciação da Pauta de Reinvidicações. Importante destacar que o dissídio coletivo só será instaurado se houver concordância das partes envolvidas.

No caso da intransigência passar os procedimentos legais, os empregados poderão realizar uma greve, a qual poderá, no decorrer de seu julgamento, também se transformar em dissídio coletivo.

Portanto, nesses casos, há a intervenção da Justiça do Trabalho para resolver o impasse entre empresa e trabalhador com o intuito de chegar-se ao Acordo Coletivo de Trabalho.

<< Voltar